18 April 2015

O Sorriso

Creio que foi o sorriso,
o sorriso foi quem abriu a porta.
Era um sorriso com muita luz
lá dentro, apetecia
entrar nele, tirar a roupa, ficar
nu dentro daquele sorriso.
Correr, navegar, morrer naquele sorriso.

Eugénio de Andrade

17 April 2015

Há que não deixar, por nada, que a Aprendizagem dos outros interfira na nossa.
"How people treat you is their karma, how you treat them is yours"

Lorina Ventura

12 April 2015

Sundaze

Sunday, Sun, Daze. End of the way walk, on this beautiful day, doing the me-time-thing and you know the drill: breath it all in, love it all out...







9 April 2015

7 April 2015

All the way north...

...to The House of Sandeman.



 







Photos by my friend Leslie

Quinta do Seixo, Valença do Douro.

4 April 2015

Talvez melhor que Ir simplesmente, seja Ir sabendo que o Amor me segura a mão. Aprendi a melhor solidão, para ser agora melhor companhia. Aprendi na boa solidão as melhores escolhas, para saber que mãos aceitar. Amar é ser luz de quem mais essa luz sente. Viver é aprendê-lo.

Lorina Ventura

O Nome das Coisas

Há momentos em que temos, mesmo, de ouvir o nosso corpo e a nossa alma, e respeitarmo-nos incondicionalmente. Esquecer os outros e olhar para nós - sou, hoje, contra tudo e todos, uma séria respeitadora desta filosofia na minha vida. 
Em termos práticos, e na minha vida, isto resulta em fazer nada mais do que aquilo que me apetece e preciso. Ser perfeitamente feliz assumindo que estou melhor sozinha do que com planos cheios de horas mundanas só para matar tempo e que há pessoas e coisas que tão somente (já) não me interessam. Foi um longo processo de conhecimento até perceber o que funciona para mim e o que não, e outro processo, não tão longo, de assumir o meu verdadeiro Eu, tantos anos submisso a vontades alheias que eu dei como minhas...

Sou muito boa em cortar elementos da minha vida e mudar planos para meu bel prazer. Este fim-de-semana, 4 dias, foi um deles... Desejei não fazer nada. Tive planos para os 4 dias, para jantar, para café, para isto e para aquilo e nenhum me fez querer mudar a vontade de fazer nada. Sou a minha melhor companhia, que posso fazer? Noutros tempos iria querer fazer tudo e adoraria ver que tinha realmente "imenso" com que me entreter; hoje, porém, renuncio a tudo para ter até a hora do almoço livre para ver um documentário que quero há tempo demais - O Nome das Coisas sobre Sophia de Mello Breyner Andresen - e acabar desfeita em lágrimas.
É para isto que eu vivo, para mim.
Os efeitos secundários da Poesia são tramados, mas a verdade é que, e evocando Edgar Allan Poe, "se um poema nunca te desfez a alma, nunca experimentaste a poesia."

Excerto do documentário relativo à visita de Manuel Alegre a Sophia de Mello Breyner Andresen no hospital:

"A última vez que eu estive com Sophia foi muito pouco antes de ela morrer. Ela não estava deitada, estava sentada, com uma almofada, vestida de branco, estava bonita, estava estranhamente bonita.
Ela ficou a olhar muito séria para mim, eu percebi que ela não me estava a reconhecer e falei-lhe e ela imediatamente disse "Manuel Alegre" e depois disse o nome da minha mulher. E então eles pediram-me para eu dizer uns versos e eu (...) disse-lhe "ia e vinha e a cada coisa que perguntava" e ela disse "que nome tinha?". (...) e depois pediu Camões, e eu "erros meus, má fortuna" e ela foi-me acompanhando mesmo quando as palavras já não lhe saiam muito bem e a partir de certa altura ela dizia só a música do poema, era poesia em estado puro, absolutamente puro e depois aquilo parou porque eu já não fui capaz de continuar... Mas é a última imagem dela, é o ritmo, essa energia, poesia como forma de energia ou de música. Mesmo quando faltavam as palavras ficou a música, ficou essa actuada."


1 April 2015

LxFactory, cities in general, Lisbon in particular

24h in Lisbon to charge all batteries!
I mean, honestly, from all I've seen and met, few cities seem to me more appealing than this one. I love Lisbon! And I really do. 
What happens between me (and cities, in general) and  Lisbon isn't new, we have a long standing relationship given my physical (literally) and soul attraction for this city (see here & here & here) and I think it is just getting better and better... There is so much to explore that I can get (delightfully) confused - but then again, that's what cities are for, right? It's just that this hustle and bustle works better in some cities than others...
Last year, I had the opportunity to live almost there, in a also too good to be true village nearby (Cascais that is) which allowed me to better discover Lisbon, only contributing for my growing love for this piece of well made urban/human life: the historical center (very rich in history), the Expo'98 area, Belém, local neighbourhoods, markets, associations, etc. Basically, the perimeter of the city is FULL (from N to S, E, O) of places worth visiting. Countless tiny doors I don't really know, but makes me wonder and leave me imagining what might happen behind (the food, drinks, conversations, readings,...). 
It is a city where everyone fits. If cities would have gender, I'd say Lisbon is like a cool teenager! (Whereas, for example, Paris would be a very female and romantic lady and so on.) Lisbon, and here thanks to some governmental work I guess, it's a tolerant city, open to experiment and experiences. 

Take LxFactory for instance, the place I spent more time in during my last visit to attend a friend's exhibition, "a factory of experiences were intervention, thought, production is made possible. Staging ideas and products in a place belonging to everyone, for everyone."
It was like feeling as fish in water. ;)

Pictures to follow.










Photos: me and Leslie

30 March 2015

I no longer have patience for certain things, not because I’ve become arrogant, but simply because I reached a point in my life where I do not want to waste more time with what displeases me or hurts me. I have no patience for cynicism, excessive criticism and demands of any nature. I lost the will to please those who do not like me, to love those who do not love me and to smile at those who do not want to smile at me. I no longer spend a single minute on those who lie or want to manipulate. I decided not to coexist anymore with pretense, hypocrisy, dishonesty and cheap praise. I do not tolerate selective erudition nor academic arrogance. I do not adjust either to popular gossiping. I hate conflict and comparisons. I believe in a world of opposites and that’s why I avoid people with rigid and inflexible personalities. In friendship I dislike the lack of loyalty and betrayal. I do not get along with those who do not know how to give a compliment or a word of encouragement. Exaggerations bore me and I have difficulty accepting those who do not like animals. And on top of everything I have no patience for anyone who does not deserve my patience.

José Micard Teixeira

26 March 2015

Like a fish in water

Sunday mornings at the museum.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...